segunda-feira, 22 de setembro de 2014

A CASA DE HORRORES DO PT DA BAHIA: R$ 50 MILHÕES FORAM TIRADOS DOS POBRES E FORAM PARAR NAS MÃOS DE POLÍTICOS PETISTAS, DIZ PRESIDENTE DE ONG QUE OPERAVA PARA O PARTIDO


É preciso ser idiota ou ter muita má-fé — eventualmente uma soma das duas coisas — para sustentar que o fim da doação legal de empresas a campanhas eleitorais diminuiria a corrupção no Brasil. Em primeiro lugar, anda que venham a ser proibidas — e o STF está a um passo de fazer essa escolha estúpida —, as doações continuarão a ser feitas, só que por baixo do pano. Em segundo lugar, a roubalheira maior nada tem a ver com eleição. Ela se dá por intermédio das empresas estatais, como prova a Petrobras, e das ONGs que são usadas pelos partidos.

A VEJA desta semana traz uma reportagem que revela os bastidores escabrosos de uma ONG chamada Instituto Brasil, criada em 2004 para supostamente facilitar a construção de casas próprias, com dinheiro federal, para pessoas de baixa renda na Bahia. Assim era no papel. De fato, a dita-cuja era apenas um dos braços do PT que operava para desviar dinheiro dos cofres públicos para o bolso dos petistas. Quem faz a denúncia? Não é o PSDB. Não é algum outro partido de oposição. Quem põe a boca no trombone é Dalva Sele Paiva, nada menos do que presidente da entidade. Ela cuidou do esquema para os petistas até 2010, quando o Instituto Brasil foi fechado, atolado em irregularidades. Ao longo de seis anos, segundo ela, R$ 50 milhões — SIM, CINQUENTA MILHÕES DE REAIS — saíram dos cofres do governo federal para as burras dos companheiros.

O esquema era relativamente simples. O Instituto Brasil era qualificado pelo governo para construir, por exemplo, um número x de casas. Erguia muito menos, repassava o dinheiro para a companheirada, e o próprio partido se encarregava de arrumar as notas frias que justificavam as despesas. Assim foi, por exemplo, em 2008, num caso já desvendado pelo Ministério Público Federal. O Instituto Brasil foi escolhido pelo governo para erguer 1.120 casas ao custo de R$ 17,9 milhões. O dinheiro saiu do Fundo de Combate à Pobreza. O MP já tem provas de que parte do dinheiro sumiu. Atenção! Só nesse convênio, revela Dalva à VEJA, R$ 6 milhões foram parar nos cofres do PT, consumidos na eleição municipal. Ela deixa claro que a entidade foi criada com o propósito de alimentar o caixa do partido. E tudo passou a funcionar ainda melhor para o grupo depois da eleição do petista Jaques Wagner para o governo da Bahia, em 2006.

A investigação está a cargo da promotora Rita Tourinho, que chegou a localizar testemunhas que acusavam políticos, mas, diz ela, faltavam as provas. Parece que a tarefa agora será facilitada. Diz Dalva, que presidia a ONG: “Vou levar todos esses fatos ao conhecimento do Ministério Público. Quero encerrar esse assunto, parar de ser perseguida. O ônus ficou todo comigo”. Ela diz ter em mãos, por exemplo, os recibos de R$ 260 mil repassados à campanha do agora senador Walter Pinheiro à Prefeitura de Salvador, em 2008.

Não era só Walter Pinheiro, é claro! Atenção para a lista de outros petistas que, segundo Dalva, receberam o dinheiro que deveria ter sido usado na construção de casas para os pobres:
- Afonso Florence, deputado federal e ex-ministro da Reforma Agrária de Dilma. Dalva diz ter entregado a ele várias pacotes de dinheiro de R$ 20 mil a R$ 50 mil, quando era secretário de Jaques Wagner. Um assessor seu chamado Adriano teria recebido a bufunfa;
- Vicente José de Lima Neto, presidente da Embratur: recebeu pensão mensal de R$ 4 mil;
- Rui Costa, atual candidato ao governo da Bahia: pensão mensal de R$ 3 mil a R$ 5 mil;
- Nelson Pellegrino, deputado federal: recebeu dinheiro para boca de urna, para pagar cabo eleitoral e bancar outras despesas da campanha.

E o governador Jaques Wagner? Será que ele sabia? Dalva diz que era impossível não saber. Afinal, quem arrumava as notas frias que justificavam os gastos era a então diretora da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, Lêda Oliveira. Hoje, Lêda é ainda mais poderosa: ocupa o cargo de diretora de Comunicação do governador Jaques Wagner.

Todos os acusados negam tudo com veemência. O deputado Nelson Pellegrino, por exemplo, começou afirmando que nem conhecia a tal Leda. Chamou pela memória e acabou lembrando que uma irmã sua trabalhou no Instituto Brasil: “Mas eu pedi para ela sair quando descobri como eram as coisas lá”. Então quer dizer que ele sabia como eram as coisas por lá?

Vamos ver no que vai dar a investigação do Ministério Público. A mulher que cuidava da dinheirama contou tudo, mesmo sabendo que também está confessando um crime. Só não aceita cair sozinha.

Por Reinaldo Azevedo

Papa denuncia uso da religião para justificar violência



O Papa Francisco chegou ontem na Albânia para visitar por um dia um país dos Bálcãs dirigido por uma coalizão entre muçulmanos, católicos e orotodoxos, onde denunciou a “perversão” da religião como pretexto para justificar a violência.

"Que ninguém pense que pode proteger-se em Deus quando projeta e realiza atos de violência e abusos. Que ninguém use a religião como pretexto para as próprias ações contrárias à dignidade do homem e seus direitos fundamentais", disse o pontífice em Tirana, capital albanesa.

Leia mais em O Globo

Simon: ‘Lula renova política com Maluf e Sarney’


Reprodução/Facebook

Para alguns de seus ex-amigos, Lula tornou-se um típico político brasileiro —grosso modo falando. Há três dias, Lula usou o senador Pedro Simon como escada para alcançar Marina Silva. “Que história é essa de nova política?”, indagou o padrinho de Dilma Rousseff num comício na cidade gaúcha de Caxias do Sul.

Lula prosseguiu: “É a nova política feita pelos velhos políticos. Aliás, tem uma aí que inovou tanto, tanto, que o Pedro Simon [84 anos] agora é candidato a senador com ela, defendendo ela. É uma nova política extraordinária!”.

Simon se deu conta de que, em campanha, o melhor amigo do homem é a incoerência. Abespinhado, o aliado de Marina sacou do coldre sua ironia. E disparou: “O Lula também renova a política. A diferença é que ele faz isso com o Maluf e o Sarney.”

domingo, 21 de setembro de 2014

Juiz rejeita denúncia do MPF contra colunista do GLOBO


O Globo

O juiz federal Elder Fernandes Luciano rejeitou, no último dia 11, denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o jornalista e colunista Ricardo Noblat, do GLOBO. O MPF, que recebeu representação criminal de Joaquim Barbosa, então ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), pleiteava a condenação pelos crimes de injúria, difamação e racismo. A representação e a denúncia foram propostas por conta da coluna “Joaquim Barbosa: Fora do Eixo”, publicada em 19 de agosto de 2013, no impresso e na internet. A decisão é de 1ª instância, mas o MPF não vai recorrer.

"O juiz enfrenta ponto a ponto as imputações e afasta cada uma delas, de forma meticulosa e prudente, demonstrando que o artigo manifesta opiniões a respeito do comportamento que não se qualificam como criminosas", diz o jurista Gustavo Binenbojm: "Houve crítica ácida, controvertida, mas o fato de ser ácida e controversa não a torna por si só criminosa. (Com essa decisão), o juiz garante à imprensa o direito de criticar os detentores do poder".

Pelo de “roedor” no extrato de tomate mais famoso do Brasil


Extrato de tomate da Knorr Elefant: Anvisa reprovou produto em teste e interditou lote

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a interdição cautelar, por 90 dias, de um lote do extrato de tomate da Knorr Elefante, fabricado pela empresa Cargill Agrícola. A decisão foi tomada após testes encontrarem “pelo de roedor” em uma das embalagens.

Segundo a Anvisa, o lote interditado, o L6, com validade até 21 de maio de 2015, obteve resultados insatisfatórios “de rotulagem e de matéria estranha macroscópica e microscópica”. A agência informou que técnicos encontraram “fragmentos de pelo de roedor acima do limite de tolerância estabelecida”, que é de um fragmento por 100 gramas.

A decisão da Anvisa foi publicada na edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União. A empresa Cargill Agrícola ainda não se posicionou, segundo a revista Veja.

Interessante que existe um limite de tolerância para pelos de roedores no extrato de tomate fabricado no Brasil, segundo a Anvisa. Um fragmento de pelo por 100 gramas. Imaginem em 1 Kg. Fala sério...

sábado, 20 de setembro de 2014

O ATO E O FATO


Vendo meu voto

Brasilino Neto
Acalmem-se senhores promotores de justiça, intrépidos e vigilantes guardiões da legalidade, não me processem, pois minha proposta não é ilegal. Leiam.

Pois procuro políticos que queiram comprar meu voto, e o preço é bom, e fácil de ser pago, pois preciso de um pouco de sossego para minha vida, com segurança, paz, saúde, educação, crédito com juros baixos e, se possível, que me respeitem, ao menos um pouquinho.

Senhor político observo que o pagamento não precisa ser feito à vista, pois facilito em até 12 ou 48 meses, sem juros, como sempre me é extorsivamente cobrado, ainda com um tempo de carência, para que aqueles que forem assumir o comando de meu país e estado possam ter tempo para a adaptação aos seus cargos e procurarem meios de gerarem condições para que possam me pagar.

Resolvi fazer isto, pois estou realmente precisando das moedas que acima indiquei e assim que começar a recebê-las vou repassar, de graça, um pouco delas para que meus amigos, familiares e minha comunidade também possam delas usufruir, eis que, como tenho visto, todos estão precisando.

Se fizerem um pouco de força e pelo prazo que estou dando para pagamento, dá para os candidatos cumprir o pagamento que prometeram. 

O documento para pagamento da venda de meu voto não precisa estar avalizado, pois eu tenho que acreditar que os políticos que queiram comprar meu voto sejam honestos, não falem mentiras e nem façam promessas vãs, e que sabem que não poderão cumpri-las, eis que devo acreditar que ainda existam alguns deles que não sejam assim, embora pouquíssimos, e que me pagarão tal como prometeram.

A única exigência que faço é que elaboremos um documento que possa ser por nós assinado e que eles cumpram as promessas de me pagarem direitinho, pois eu tenho seguidamente sofrido prejuízos e sido enganado nas eleições anteriores, pois lhes dei meu voto e eles não cumpriram as promessas que me fizeram, me prometeram pagar direitinho e não pagaram, assim nesta eleição não vou mais dar meu voto, mas vender para o político que esteja realmente disposto a cumprir aquilo que me foi prometido.

Brasil, o país dos fora da lei




Brasil o país dos fora da leiLendo, vendo ou ouvindo o que ocorre em nosso país diariamente, a sensação é de que vivemos em uma sociedade sem qualquer tipo de ordem, regras ou leis, onde, como na pré-história, sempre vence o mais forte e violento.

No Brasil atual, somente os ilegais, sonegadores, corruptos e ladrões conseguem fazer evoluir seu patrimônio. Os que possuem princípios morais e éticos, por mais que trabalhem, não conseguem progredir financeiramente e, não raro, ainda perdem o que já possuíam.

São tantas as obrigações trabalhistas, fiscais e tributárias que só mesmo os ilegais, que tudo sonegam, conseguem manter seu patrimônio ou progredir. E cada vez que se propõe algo que possa beneficiar minimamente a população, isso só pode ser realizado com um novo aumento de tributos, pois os já existentes são totalmente consumidos pelos corruptos hoje no poder.

Os aportes financeiros, de bilhões de reais, realizados pelo Tesouro no BNDES nos últimos anos, não são suficientes para financiar a manutenção e aumento da infraestrutura básica do país, pois a ideologia dos nossos governantes os levam a construir obras faraônicas em outros países, governados por “companheiros”, enquanto os brasileiros morrem nas filas dos hospitais.

Um “acordo verbal” com o “companheiro” Hugo Chávez, levou a Petrobrás na construção da refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca – região metropolitana de Recife -, e agora, além da empresa PDVSA, do país do “companheiro”, não haver aplicado um só centavo na construção, descobre-se que a mesma foi projetada para refinar um tipo de óleo que não é o produzido no Brasil, mas sim na Venezuela.

Segundo a revista Veja e as declarações da própria presidente da empresa, Graça Foster, o total da refinaria será de 40 bilhões de reais, valor 36 bilhões superior ao estimado no início do projeto (4 bilhões de reais). E isso é só um exemplo do que tem ocorrido naquela que já foi uma das maiores empresas do mundo e hoje, em virtude da ingerência do governo do PT nos últimos anos, está financeiramente debilitada e aparece diariamente nas colunas policiais.

A poucos dias das eleições que definirão os próximos deputados estaduais e federais, senadores,governadores e o presidente da república, o que vemos na mídia é um festival de acusações de incapacidade administrativa e de corrupção generalizada.

Entretanto, o que mais chama a atenção é como os membros do PT, que atualmente governam ou governaram o país, mentem descaradamente, sobre assuntos que já são do conhecimento público, como a responsabilidade que deveriam assumir sobre a aquisição superfaturada da refinaria de Pasadena, nos USA, que causou tantos prejuízos à Petrobrás.

A metodologia da contratação de médicos cubanos, que só recebem uma pequena parcela de seu salário, se aplicada em médicos brasileiros causaria a prisão de quem os tivesse contratado, por ser considerado, em nossa legislação, trabalho escravo, mas o PT a admite, para repassar aos “companheiros” e criminosos irmãos Castro o dinheiro ganho com o suor destes médicos.

E a prepotência dos líderes do PT é tão grande que em um vídeo disponibilizado no YouTube, Lula, durante um de seus discursos desta campanha eleitoral, em tom de ameaça, diz a Dilma: “….eles não sabem o que nós seremos capazes de fazer para fazer com que você seja a nossa presidenta por mais quatro anos desse país”.

Enfim, são tantos os exemplos de desmandos, corrupção, apoios a crimes e ameaças, praticados pelos governantes do PT, que, com muita tristeza, admito:

Atualmente, no Brasil, só se dá bem quem é fora da lei.

PT DA BAHIA DESVIOU MILHÕES DE PROGRAMA HABITACIONAL


O candidato do PT ao governo da Bahia, Rui Costa, um dos políticos envolvidos no esquema alimentado pela ONG Instituto Brasil: mesada entre três e cinco mil reais

Desde 2010, o Ministério Público investiga o Instituto Brasil, uma ONG criada pelos petistas da Bahia. Em 2008, a entidade foi escolhida pelo governo do estado para construir 1 120 casas populares destinadas a famílias de baixa renda. Os recursos, 17,9 milhões de reais, saíram do Fundo de Combate à Pobreza. Os investigadores já tinham reunido provas de que parte do dinheiro desaparecera, mas não havia nada além de suspeitas sobre o destino final dele.

O mistério pode estar perto do fim. Em entrevista a VEJA, a presidente do instituto, Dalva Sele Paiva, revela que a entidade foi criada para ajudar a financiar o caixa eleitoral do PT na Bahia, um esquema que funcionou por quase uma década com dinheiro desviado de “projetos sociais” das administrações petistas. A engrenagem chegou a movimentar, segundo ela, 50 milhões de reais desde 2004. O golpe era sempre o mesmo: o Instituto Brasil recebia os recursos, simulava a prestação do serviço e carreava o dinheiro para os candidatos do partido. Como os convênios eram assinados com as administrações petistas, cabia aos próprios petistas a tarefa de fiscalizar. Assim, se o acordo pagava pela construção de 1 000 casas, por exemplo, o instituto erguia apenas 100. O dinheiro que sobrava era rateado entre os políticos do partido. (Veja)

Ministério Público pede auditoria sobre envio de panfletos de Dilma



O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu que a corte abra uma inspeção nos Correios para apurar o envio de santinhos da presidente Dilma Rousseff a eleitores sem chancela ou comprovante de postagem. A estampa oficial serve para comprovar que o material foi pago e enviado de forma regular e nas quantidades contratadas.

Na representação, o procurador Júlio Marcelo de Oliveira diz que a situação, se comprovada, "afronta o processo democrático" e impõe duras penas aos responsáveis.

Leia mais em O Estadão

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Escócia rejeita independência e continua no Reino Unido



Os escoceses decidiram continuar o casamento de 307 anos com o Reino Unido e rejeitaram a independência do país em um plebiscito histórico realizado na quinta-feira. Com quase todas as urnas apuradas nesta sexta, o “não” à separação aparece com uma vantagem um pouco mais folgada do que aquela prevista nas últimas pesquisas: 55,4% dos votos contra 44,6%. Segundo estimativas da imprensa britânica, não há mais possibilidade de uma virada.

A rede BBC calcula que o placar final será de 55% para a união, contra 45% para a independência. Dos 29 distritos eleitorais que tiveram os votos computados até agora – são 32 no total –, apenas quatro deram a vitória ao "sim", entre eles Glasgow, a maior cidade do país. A capital Edimburgo votou em peso pelo "não": 61% a 39%.

Leia mais em Veja