quarta-feira, 29 de julho de 2015

Lula entra com ação judicial contra revista Veja



Lula entrou nesta quarta-feira com uma ação judicial contra quatro profissionais de Veja. Pede que sejam condenados a lhe pagar indenização por danos morais. Reclama da reportagem de capa da última edição da revista, que foi às bancas no último sábado (25). Nela, noticiou-se que o ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro, estaria negociando acordo de delação premiada para delatar crimes que envolveriam Lula em fatos investigados na Operação Lava Jato. Por meio dos seus advogados, o empreiteiro negou que tenha cogitado tornar-se delator.

Em nota, o Instituto Lula reproduz trechos da ação movida pelos advogados de Lula: “O texto é repugnante, pela forma como foi escrito e pela absoluta ausência de elementos que possam lhe dar suporte.” Sustenta-se na petição que a jurisprudência do STJ consagraria o entendimento de que “a liberdade de comunicação e de imprensa pressupõe a necessidade de o jornalista e/ou o veículo pautar-se pela verdade”.

Os alvos da ação de Lula são os três repórteres que subscrevem a notícia contestada —Robson Bonin, Adriano Ceolin e Daniel Pereira—, além do diretor de redação Eurípedes Alcântara.

Maria do Rosário está na lista de empreiteiro da Lava Jato


MRosario23032014Gerson Almada, vice-presidente da Engevix e réu na Operação Lava Jato, disse aos investigadores que encaminhou ao seu operador de propinas, Milton Pascowitch, uma lista com os candidatos que deveriam ser bancados pela empreiteira.

Todos são do PT:

“Vicente Cândido, Maria do Rosário, ‘Mirian’ (que o depoimento não identifica), os deputados estaduais do PT Rio Grande do Sul Altemir Tortelli, Marcos Daneluz e Nelsinho Metalúrgico, além dos irmãos Nilto Tatto e Enio Tatto, deputado federal e deputado estadual por São Paulo”.

O empreiteiro, no entanto, disse não se recordar se a doação aos políticos da sigla foi abatida das “comissões” que ele devia a Pascowitch.


Dilma vai vetar regra de reajuste da aposentadoria que quebra o país. Está certa, mas vai apanhar


A presidente Dilma Rousseff vai vetar texto aprovado pelo Congresso que reajusta, segundo os critérios de valorização do salário mínimo, todos os vencimentos dos aposentados, mesmo daqueles que recebem acima de um mínimo.

No mérito, ela está certa! Tem de vetar mesmo! Não existe dinheiro pra isso. Leva as contas para o buraco. O diabo é saber por que foi aprovado. E só foi aprovado porque a presidente já não exerce a necessária liderança para estar no comando.

O veto pode ser derrubado no Congresso? Pode! E, por óbvio, a decisão desgasta ainda mais a relação da mandatária com a sua base.

Em momento assim, o ruim se junta ao pior. A voz das ruas tende a ser esta: “Ah, dinheiro pra aposentado não tem, mas pra roubalheira, aí tem”. É claro que as coisas não são tão simples assim, mas o arranjo fecha uma equação na cabeça das pessoas. Aí, meus caros, é popularidade morro abaixo.

Mais uma razão para ela renunciar. Já não governa. É governada pelos fatos.

Datena fecha com PP para ser candidato a prefeito de São Paulo


O apresentador Datena entre os deputados Guilherme Mussi (à esq.) e delegado Olim, ambos do PP

O apresentador de TV José Luiz Datena, do Brasil Urgente, da Band, fechou acordo para sair candidato a prefeito de São Paulo pelo Partido Progressista (PP). Datena se reuniu nesta terça-feira com o deputado federal Guilherme Mussi e o deputado estadual Delegado Olim, que deve ser o candidato a vice-prefeito, em chapa pura do partido.

Em seu perfil no Facebook, Olim publicou a seguinte mensagem: "Nasce uma nova política para São Paulo. Datena declara que será candidato à prefeitura de São Paulo".

Datena já havia sido cortejado por partidos nas eleições municipais de 2012. Ele, no entanto, dizia ser injusto que pessoas com exposição pública na TV usassem desse trunfo para se popularizar e concorrer a um cargo eletivo. Ao jornal Folha de S. Paulo, ele disse que o partido "fez uma proposta honesta, direta e reta". "Não me senti usado. Simples assim", afirmou.

A entrada de Datena na corrida eleitoral deixa ainda mais indefinido o cenário da reeleição do prefeito Fernando Haddad (PT), que enfrenta baixos índices de popularidade. Também devem concorrer a ex-prefeita e senadora Marta Suplicy (sem partido), em conversas com PMDB e PSB, e o deputado Celso Russomanno (PRB), apresentador da TV Record. O PSDB ainda não definiu um nome para a disputa - entre os que se declaram pré-candidatos está o vereador Andrea Matarazzo.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Na lógica de Dilma, Lava Jato é culpa de índios



A hipocrisia é uma característica muito comum dos governos em apuros. Mas Dilma Rousseff exagera. Quando declarou, a portas fechadas, que a Lava Jato derrubou um ponto percentual do PIB, a presidente deixou de mencionar que a operação é uma reação da PF e da Procuradoria à roubalheira que viscejou na estatal durante os 13 anos de governos petistas.

Quando Lula governou o país, não hesitou em levar a Petrobras ao balcão. Decerto pensou que, sob o patrocínio de PT, PMDB e PP, as diretorias e subsidiárias da estatal seriam geridas sob critérios tecnicamente impecáveis. Mas o que se poderia esperar de prepostos de Renans e Collors senão gestões indignas?

Pelo menos R$ 7,5 milhões em verbas sujas extraídas da Petrobras foram parar na caixa registradora da campanha presidencial de Dilma. A presidente diz que seu oponente Aécio Neves bebeu da mesma fonte. E se declara chocada com a suposição de que o dinheiro possa não ser legal.

Considerando-se o pensamento cartesiano de Dilma, ela deve achar que a Lava Jato é culpa dos índios, que não puseram os portugueses para correr naquele fatídico 22 de abril. Num Brasil habitado exclusivamente por índios haveria vantagens e desvantagens. A desvantagem é que você, caro leitor, não existiria. Em compensação, também não existiriam a Dilma e seus raciocínios tortos.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Suecos insatisfeitos


gripen
Compra de 36 Gripen NG pode não sair

Uma missão sueca desembarcou hoje em Brasília para reuniões no Ministério da Fazenda e no Itamaraty para a última tentativa de fazer o governo brasileiro honrar o que foi acordado sobre as taxas de juros da compra de 36 caças Gripen NG.

Joaquim Levy vem tentando renegociar a compra alegando dificuldades econômicas por parte do governo brasileiro.

Os suecos estão à beira de desistir do negócio de 5,4 bilhões de dólares.

JÁ SÃO 255 DEPUTADOS PRÓ-IMPEACHMENT DE DILMA



O Planalto e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), concordam pelo menos numa coisa: ambos estimam que 255 dos 513 deputados federais já se manifestam abertamente pela admissibilidade da proposta de impeachment da presidente Dilma. Neste momento, doze propostas estão tramitando. O governo espera ainda reverter a posição de deputados do PTB e do PP; eles somam 64 deputados.

Oposição acha que o impeachment ganhará fôlego após o TCU julgar as “pedaladas fiscais” e as manifestações do dia 16.

São exigidos no mínimo 342 votos para que os parlamentares promovam o impeachment da presidente Dilma.

Dilma liberou R$ 300 milhões em emendas parlamentares ainda de 2014, na expectativa de “acalmar” deputados e senadores.